A Sorte é Cega

(Luiz Guimarães)

Meu amor quando não te vejo
Fico a suspirar
Por que é tu não vê,
Que eu vivo a te esperar

Passarinho na gaiola, vive sempre a cantar
Passa fome passa sede
Sem pedir, sem reclamar,
Mas existe a diferença
Passarinho eu não sou,
Minha fome e minha sede
É teu carinho é teu amor

Dizem que a sorte é cega
Só agora acreditei
Por que tu gosta de mim
Meu amor isso eu não sei

Se ao menos eu pudesse alimentar esta ilusão
Que ficou dentro de mim
Machucando o coração.
LP:O SANFONEIRO DO POVO DE DEUS; 1967; RCA VICTOR