Danado de Bom

(Luiz Gonzaga/João Silva)

– Tá danado!
– Danado o quê, Elba? Isso é Dominguinhos
– Danado de bom, ‘Seu’ Lula!
– Ra, ra

Tá é danado de bom!
Tá danado de bom, meu compadre!
Tá é danado de bom,
Forrozinho bonitinho,
Gostosinho, safadinho,
Danado de bom!
Tá é danado de bom!
Tá danado de bom, meu compadre!
Tá é danado de bom,
Forrozinho bonitinho,
Gostosinho, safadinho,
Danado de bom.

Olha o Macambira na zabumba,
O Zé Cupido no triângulo,
E Mariano no gonguê
Olha o meu compadre na viola,
Meu sobrinho na manola,
E Cipriano no melê.

Olha a meninada nas cuié,
Tá sobrando capilé
E já tem bebo pra daná…
Tem nego grudado que nem piolho,
E tem nega piscando o olho,
Me chamando pra dançar.
Tem nego grudado que nem piolho,
E tem nega piscando o olho,
Me chamando pra dançar.

E eu vou lá

Tá é danado de bom!

(…)

Tá, que forrozinho de primeira!
Já num cabe forrozeiro,

E cada vez chegando mais.

Tá, da cozinha pro terreiro,

Sanfoneiro, zabumbeiro

Pra frente e pra trás.

Olha, meu compadre Damião,

Pode apagar o lampião,

Que tá querendo clarear.

Aguenta o fole, meu compadre Bororó
Que esse é o tipo de forró
Que não tem hora pra parar.
Aguenta o fole, meu compadre Bororó
Que esse é o tipo de forró
Que não tem hora pra parar.

 Tá é danado de bom!

(…)
Olha o Macambira na zabumba,
(…)
Tem nego grudado que nem piolho,

(…)

 – E eu vou lá
– Ora se vou
– Vou demais!
– Tá doido se eu perder um forró desse

– Óia eu chegando

 LP – Danado de Bom – 1984