A Morte do Meu Avô

(Nélson Valença)

 

Eu era pirritotinho

Quando mamãe decretou

Você é quem vai vingar

A morte do seu avô (bis)

 

Ganhei punhal enfeitado

Daquela que me criou

Crescí pensando em vingar

A morte do meu avô

A morte do meu avô (bis)

Vida triste, triste vida

Vida triste, meu viver

Eu já tinha inimigo

Muito antes de nascer } bis

 

Cartilha era o meu rifle

Caneta o meu punhá

Eu na caatinga entrei

Aonde fui estudar (bis)

 

A professora era o ódio

Cangaço educação

Na reza forte encontrei

A minha religião

A minha religião

A minha religião

 

Eu queria ser alegre

Eu  queria namorar

Eu queria uma viola

Eu queria o luar

Mas eu fui o escolhido

Tinha mesmo que matar

 

Se o ódio e a vingança

Tem força de satanás

Mais força tem o amor

Fazendo o que ninguém faz (bis)

 

Mostrou-me a providência

Os olhos de Guiomar

Eu nunca mais atirei

Guardei inté meu punha

Guardei inté meu punha (bis)

 

LP: CHÁ CUTUBA; 1977; RCA