Balaio do Veremundo

(Zé Dantas e Luiz Gonzaga )

 

O Coroné Veremundo

Dança ruim mais invento

Uma dança que o Salgueiro

Cum seu nome batizou

 

O Balaio de Veremundo

Tem as minhas de autor

 

Pra você dançá balaio

Tem que ficá balançando

Jogando o corpo pra trás

Cuma quem vai se deitando

Depois imbicá pra frente

E ficá gineteando

 

O balaio de Veremundo

São dois ramo num só gáio

Duas “arma” num só corpo

Duas cartas no baráio

Quem fala em Veremundo

Tem que falá no balaio

 

No balaio, o Veremundo

Tem cincoenta ano de ensaio

Vai fazê bôda e ôro

De casado e do balaio

Só pra ver o home dançá

Ôi, nesta festa eu não fáio

 

Pra essa festa vão os Danta

Os Gonzaga e os Carváio

Alencar num vai fartá

Vai Rumão, e vai Sampaio

Pra dar viva a Veremundo

O invento desse balaio

– Part. no disco de Januário.