Cego Aderaldo

( João Silva e Maranguape) 

 

Quem a paca cara compra

Paca cara pagará } bis

 

Oh! Violeiro do mundo

Dêem-me atenção de um segundo

Pra meu lamento profundo

Que hoje decanto o retrato

Um grande vulto do mato

Mato de onde não fujo

Aderaldo Ferreira de Araújo

O Cego Aderaldo do Crato } bis

 

Ali nasceu o artista

De ferreiro a maquinista

Que mesmo perdendo a vista

Via com o coração

No pontear de um botão

Era jornal de matuto

Analfabeto e inculto

Orgulho desse meu baião } bis

 

Ao poeta e trovador

Dos repentista, lendário

Da poesia operário

Onde estiver com amor

Do teu admirador

Receba estas rimas vagas

Como uma espécie de “paga” bis

No seu primeiro centenário

 

Quem a paca cara compra

Paca cara pagará } bis

O HOMEM DA TERRA; 1980; RCA