Juvina

(Nelson Valença e Luiz Gonzaga)

 

Se um chifre de um touro não mata

Uma cabra ligeiro e brigão

Saudade do amor bem que mata

E punhal bem cravado no coração

 

Se o estrepe que fura o vaqueiro

Faz um homem forte gemer

Amor que amor é mais forte

Faz um cabra macho penar e morrer

 

A reza que vence o veneno cruel

Salvando o vivente da cascavel

Que tira um olhado, que passa uma dor

Não serve, não cura a doença do amor

 

Volte Juvina

Eu estou desenganado

Volte Juvina

Você me deixa curado

 

Sou terra seca

E você Juvina, trovoada

Venha salvar

A semente do amor plantada

 

Volte Juvina, Juvina

Volte menina

LUIZ GONZAGA; 1973; Odeon