Lampião Falou

(Aparício Nascimento/ Venancio)

 

Eu não sei porque cheguei

Mas sei tudo quanto fiz

Maltratei fui maltratado

Não fui bom, não fui feliz

Não fiz tudo quanto falam

Não sou o que o povo diz

 

Qual o bom entre vocês?

De vocês, qual o direito?

Onde esta o homem bom?

Qual o homem de respeito?

De cabo a rabo na vida

Não tem um homem perfeito } bis

 

Aos 28 de julho

Eu passei por outro lado

Foi no ano 38

Dizem que fui baleado

E falam noutra versão

Que eu fui envenenado

 

Sergipe, Fazenda Angico

Meus crimes se terminaram

O criminoso era eu

E os santinhos me mataram

Um lampião se apagou

Outros lampiões ficaram } bis

 

O cangaço continua

De gravata e jaquetão

Sem usar chapéu de couro

Sem bacamarte na mão

E matando muito mais

Tá cheio de lampião

E matando muito mais

Tá assim de lampião

E matando muito mais

 

Na cidade e no sertão

E matando muito mais

Tá sobrando Lampião

A FESTA; 1981; RCA