Mané e Zabé

( Zé Dantas e Luiz Gonzaga)

 

Ô Zabé, Zabé, Zabé

Zabé, Zabé, dez vezes Zabé

Ô Zabé, Zabé meu bem

Eu chamo tanto e Zabé não vem

 

Ô Zabé não quero me humilhar

Mas o amor depois da briga

É gostoso pra danar

É  o mel que cai na boca

De quem comeu saburá

E chuva depois da seca

Nas terras do Ceará

Por isso minha Zabezinha

Não canso de te chamar

Ôi Zabé, Ôi Mané, Ôi Zabé, Ôi Mané

Ôi Zabé, Ôi Mané

 

Ôi Mané, Mané, Mané

Mané, Mané, dez vezes Mané

Ôi Mané, Mané meu bem

Eu chamo tanto

E Mané não vem

 

Ôi Mané, não quero me humilhar

Mas amor depois da briga

É gostoso pra danar

É o mel que cai na boca

De quem comeu saburá

E chuva depois da seca

Nas terras do Ceará

Por isso meu Manezinho

Não canso de te chamar

 

Ô Mané, ôi Zabé

Ô Mané, ôi Zabé

Ô Mané, ôi Zabé

78 RPM V801590a 1956 – Com Marines