Sertanejo do Norte

(oão do Vale e Ary Monteiro)

 Eu vou falar desse povo

Que não faz mal a ninguém

O sertanejo do norte

Que e pau de arara vem

Desprotegido da sorte

Sou pau de arara também

 

Ribaçã, se tem fartura

Nunca muda de lugar

Sertanejo se tem chuva

Nunca deixa a terra natá

Sertanejo é tão feliz

Quando chove no sertão

Quando a roça ta cheinha

De arroz, mío e feijão

 

Quando ele vem do roçado

Seus fiínho tão esperando

Quando avistam de longe

Todos eles vão gritando

Eita! Pai já vem

Eita! Pai já vem

Viu, mãe!

Pai já vem

78 RPM V802118a 1959