Sertão de Aço

(José Marcolino e Luiz Gonzaga )

 

Lá lá lá rá rá

Se você visse

Como é o meu sertão

Aí você diria

Que eu falo com razão

 

Lavoura lá

Dá só com o cheiro de chuva

Tem resistência

O milho e o feijão

Com uma chuva

Em cada mês

A coisa aumenta

Que a lavoura lá agüenta

Trinta dias de verão

Trá lá lálá ai…

 

Tem ano lá

Que o inverno é variado

Lucro e remessa

Num canto e outro não

O sertanejo ainda num desespera

Com coragem ainda espera

Pela safra de algodão

Havendo safra

Nem é bom falar

Meu Deus do céu

E com tanto samba que há

 

O sertanejo

Esquece logo o tempo ruim

Finca o pé na dança

Sem sentir cansaço

No outro dia

Cuida da obrigação

Digo por esta razão

Que meu sertão é de aço

Ô VÉIO MACHO; 1962; RCA VICTOR